VOCÊ ESTA LENDO Unita: A cooperativa de trabalho dos técnicos industriais do ES dá mais um passo em sua organização

Unita: A cooperativa de trabalho dos técnicos industriais do ES dá mais um passo em sua organização

Notícia postada em 29/08/2019

O presidente da Unita – Cooperativa de Trabalho dos Técnicos Industriais do ES , Dionísio José de Souza Carvalho, comemora o registro da instituição no CNPJ, e com isto dá mais um passo importante em sua organização, depois do registro obrigatório na OCB, que é a entidade privada que congrega todas as Cooperativas brasileiras, de todos os ramos, e que representa formal e politicamente o sistema nacional, integra todos os ramos de atividade do setor e mantém serviços de assistência, orientação geral e outros de interesse do Sistema Cooperativo.

O presidente da  Unita – Cooperativa de Trabalho dos Técnicos Industriais do ES , Dionísio José de Souza Carvalho, comemora o registro da instituição no CNPJ, e com isto dá mais um passo importante em sua organização, depois do registro obrigatório na OCB, que é a entidade privada que congrega todas as Cooperativas brasileiras, de todos os ramos, e que representa formal e politicamente o sistema nacional, integra todos os ramos de atividade do setor e mantém serviços de assistência, orientação geral e outros de interesse do Sistema Cooperativo.

De acordo com Dionísio, “a ideia de criar a cooperativa de trabalho Unita surgiu a partir do momento em que se iniciou esse momento crítico que estamos vivendo hoje, com alta taxa de desemprego e desvalorização da mão de obra. É lógico que não foi só isso, mas acredito que foram alguns dos principais motivos para se idealizar a sua criação”, revela o líder cooperativista que também é diretor do Sintec/ES – Sindicato dos Técnicos Industriais do ES, onde ocupa o cargo de diretor de Imprensa e Comunicação.

Dionísio ainda diz que foi no Sintec que surgiu com força a ideia de fundar essa cooperativa, e que os grandes incentivadores foram Miguel Madeira, presidente daquele sindicato, e Carlos Demétrius, um de seus diretores. 

“A parte mais crítica em relação à criação da cooperativa, no que diz respeito à documentação, acredito que já passamos. Agora estamos no momento de cadastrar todos os cooperados e formatar um   regimento interno para balizar todas as ações de todos os cooperados e iniciar a integralização do capital”, explica Dionísio.

Ele acredita que as perspectivas são boas, explicando que “apesar da crise política e econômica que vivemos, temos um grupo de profissionais bastante motivados para esse momento. Acredito que teremos grandes oportunidades de mostrar a força e capacidade de todos envolvidos”, salienta o presidente da Unita, cooperativa que se propõe a atuar nos segmentos dos principais e grandes setores da economia brasileira, como construção civil, metalmecânica, tecnologia de última geração, petróleo e gás, máquinas e equipamentos – inclusive hospitalares, robotização, mineração, computação, celulares, entre outros.

O diretor administrativo e financeiro da Unita, Welington Ferri, que também é diretor do Sintec/ES, lembra que a cooperativa de trabalho junto à categoria dos técnicos industriais é um sonho antigo. “Já fundamos uma cooperativa muitos anos atrás, mas ela acabou tomando outros rumos. Agora, esta nova cooperativa, que visa ampliar os horizontes dos técnicos industriais, inclusive para enfrentar essa chamada reforma trabalhista e da Previdência que está vindo por aí.  Na verdade, estão empurrando os trabalhadores para se tornarem microempresários individuais. Com a cooperativa, ela assume algumas funções deixando os técnicos cooperados livres para exercerem seus trabalhos profissionais”, explica o diretor.

Para ele, “o desafio a ser enfrentado é que temos muitas profissões diferentes, apesar de sermos todos técnicos, mas em setores os mais diversos. Então, unir todos esses interesses é um desafio interessante para nós. Como somos profissionais que em sua maioria está há muitos anos no mercado de trabalho, e que já trabalhamos também em médias e grandes empresas, acredito que isto possa facilitar o nosso engajamento e fugir da forma mais comum de sermos submetidos à exploração salarial pelos grandes empresários”, enfatizou Ferri.