VOCÊ ESTA LENDO Homenagem do Sintec/ES ao Dia Internacional da Mulher

Homenagem do Sintec/ES ao Dia Internacional da Mulher

Notícia postada em 08/03/2019

O Sindicato dos Técnicos Industriais do Espírito Santo parabeniza todas as mulheres trabalhadoras pelo Dia Internacional da Mulher neste dia 8 de março, instituído em todo o mundo por convenção, em 1975 pela Organização das Nações Unidas – ONU. O objetivo principal é dar à mulher uma posição digna na sociedade, igualando aos homens direitos e deveres.

Mas, apesar de mais de um século já ter transcorrido, essa luta parece que está cada vez mais longe de chegar ao fim. Naturalmente que as mulheres, com suas lutas, muito já conquistaram a partir do início das manifestações em massa que realizaram em todo o mundo. Contudo, novos desafios surgem a cada tempo. Ao combate à discriminação de gênero hoje se adiciona também o combate à violência em todas as suas formas, uma violência crescente, inexplicável, incabível e covarde.

Isto, depois de cem anos depois que cerca de 15 mil mulheres marcharem nas ruas da cidade de Nova Iorque no dia 26 de fevereiro de 1909, nos Estados Unidos, por melhores condições de trabalho. Naquela época, as jornadas para elas poderiam chegar a 16 horas por dia, seis dias por semana e, não raro, incluíam também os domingos.

Na Europa também crescia o movimento das mulheres trabalhadoras. Em agosto de 1910, a alemã Clara Zetkin propôs em reunião da Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas a criação de uma jornada de manifestações das mulheres pela igualdade de direitos. O primeiro dia oficial da mulher seria celebrado, então, em 19 de março de 1911. Mas, em 1917, no dia 8 de março, um grupo de operárias saiu às ruas para se manifestar contra a fome e a Primeira Guerra Mundial, um dos movimentos que culminaria com a Revolução Russa. Após a revolução bolchevique, a data foi oficializada entre os soviéticos como celebração da “mulher heroica e trabalhadora”.

“(…) novos desafios surgem a cada tempo. Ao combate à discriminação de gênero hoje se adiciona também o combate à violência em todas as suas formas, uma violência crescente, inexplicável, incabível e covarde”

Aqui, no Brasil, um governo que já se inicia medíocre, expõe sem nenhum constrangimento suas amaldiçoadas unhas no sentido de rasgar a Constituição, acabar com direitos das mulheres conquistados há décadas com relação à proteção que devem receber do Estado por intermédio da Previdência Social, direitos ameaçados de serem cassados pelo governo Bolsonaro.

Como inspiração para mais esta batalha que se avizinha, lembremo-nos de algumas mulheres heroicas como a vereadora Marielle Franco, irmã Dorothy Stang, brutalmente assassinadas, entre outras tantas anônimas ou não, que por sua cor, ideologia política, preferência sexual ou atitude revolucionária acabaram com suas vidas sendo ceifadas nesses últimos tempos, mas que deixaram seus exemplos e suas energias para os novos enfrentamentos da mulher presente. Viva as Mulheres de Todo o Mundo! Lutemos todos pelas garantias de seus direitos e sua plena cidadania!